ÚTEIS E CANSADOS: TÁ PUXADO PRA BICHARADA

Como animais de estimação viraram solução para nossas mazelas e carregam o peso das cargas emocionais dos humanos

20/03/22

Por Patrícia Vidal

Reprod. instagram @coimbronco / Simpático vira-lata exausto criado pelo cartunista Ricardo Coimbra

“Agora que me apeguei ao bichinho, ele pifa?”. Com um misto de susto e decepção uma tutora contou que o cão adulto, recém adotado, teve uma problema de saúde.

Uma paciente comentou como foi difícil enfrentar o envelhecimento do seu patudo. Aos poucos, ele a privou dos passeios a pé pelo bairro, que eram apreciados por ambos. Disse ter ficado frustrada com a quebra da rotina.


No domingo (13/03/22), o cartunista Ricardo Coimbra (@coimbronco) publicou o quadrinho cujo título é “Um dia de cão” na Folha de S. Paulo, onde narra o cotidiano de Caramelo, um vira-lata. Ele frequenta a empresa pet-friendly do tutor, onde diminui o stress dos colaboradores, recebe carinho e é fotografado com roupinhas ridículas, ‘escuta terapeuticamente’ um funcionário em crise e, por fim, quando chega em casa, dá atenção ao tutor deprimido. Caramelo chega ao limite e sofre burnout – síndrome do esgotamento profissional.


Os tutores mencionados amam loucamente seus animais. Conscientemente, não fariam nada que lhes causasse dano. As narrativas, no entanto, revelam expectativas (que tutor não tem alguma?). Expectativas que podem se tornar perigosas quando sobrecarregam o animal e afastam os humanos de lidar com as suas próprias dificuldades. Tudo depende do grau com que a relação de transferência de responsabilidade se estabelece.


Ajustamos nossa rotina para cuidar dos nossos bichinhos. Procuramos garantir o seu bem estar, compatibilizando suas necessidades com as nossas. Contudo, tenho percebido que está se tornando comum o tutor deslocar para o animal de estimação suas necessidades emocionais ou então o abrir mão de sua vontade para priorizar o atendimento dele. Esta semana uma tutora enlutada contou, com evidente prazer, que costumava ir ao supermercado para comprar os ingredientes da comida do cachorro e aproveitava para comprar algo para a despensa. Para ela, cuidar do peludo estruturava sua própria vida.


Fiquei pensando: quando o limite do equilíbrio e da reciprocidade é ultrapassado? Pensei em como o animal se torna, de certa forma utilitário, não somente quando dispomos dele como produto para consumo, mas igualmente quando ele chega como uma ‘solução’, para nossas mazelas: a perda de outro pet, autoestima, separações, conflitos, solidão, dores da infância, carência, perdas e tantos outros sofrimentos humanos.


Sem dúvida os pets tornam nossa vida melhor. Eles nos confortam e reabastecem para enfrentar os desafios do cotidiano. Acredito que cada relação pode ser sadia quando fomenta evolução para todos os envolvidos, sem sobrecarga!


Pense no motivo que o levou a acolher o seu bichinho de estimação. Essa pode ser uma boa pista para entender o que ele veio contribuir para a sua vida. E hoje, a relação de vocês dá para ficar mais leve e criativa?

Patrícia Vidal

Psicóloga especializada em vínculos e luto por perda de animais domésticos.