BOWLBY SE FOI E ME FEZ PENSAR NOS PETS E A NOSSA NECESSIDADE DE ACONCHEGO

Psiquiatra inglês que morreu no início de setembro escreveu sobre a natureza dos vínculos

19/09/21

Por: Patrícia Vidal

Psiquiatra inglês John Bowlby, autor de "Apego - A Natureza do Vínculo"


Provavelmente a teoria do apego seja desconhecida para você. Talvez você nunca tenha se perguntado sobre a origem da palavra pet e desconheça sobre a descarga hormonal que ocorre quando acaricia seu bichinho. Neste mês, tudo isso se encontrou:


Fiquei triste com a morte do psiquiatra inglês John Bowlby, no último dia 3. Ele explicitou a natureza instintiva que nos move e nos aproxima dos animais. Assim como eles, somos programados biologicamente para sobreviver estabelecendo um vínculo preferencial que provisione proteção e conforto - conceito de porto seguro -, bem como apoio, a partir do qual exploramos o mundo - chamada base segura. Esses são os conceitos-chave da teoria do apego.


Quando a psicanálise estava em alta e tinha por certo que a alimentação do bebê humano estabelecia a vinculação com a mãe, Bowlby se interessou pela etologia, pesquisando sobre o comportamento da dupla mãe-filhote em mamíferos e aves. Bowlby refere o experimento de Harlow, nos anos 60 em seu livro Apego – a natureza do vínculo. Macaquinhos rhesusforam separados da mãe ao nascer, Harlow levou a cabo uma série de testes para verificar a preferência dos filhotes pelo aconchego em detrimento da nutrição.


Apresentados a dois protótipos de arame, um com mamadeira e outro coberto com um pano macio, os bichinhos ficaram agarrados à ‘mãe/boneca’ macia até 15 horas/dia, permanecendo com a mamadeira apenas 1 hora. O experimento derrubou a hipótese psicanalítica e trouxe para os holofotes a importância do contato físico gerador de segurança e conforto para o desenvolvimento psíquico saudável.


O que isso tem a ver com a relação com nossos animais de estimação? Uma das possíveis origens da palavra pet é o verbo to pet, em português, afagar. Acariciar nosso bichinho libera ocitocina, popularmente chamado de hormônio do amor. Ele é liberado durante o parto, cuidados maternos e relações sexuais. Propicia sensação de tranquilidade, proteção e conexão. Afagar os peludos é uma recomendação para aliviar o estresse e seus benefícios para a saúde são amplamente documentados!


No consultório, ouço com alguma frequência tutores enlutados, avessos ao contato físico humano, reportar sentirem falta de tocar o pet e descrever seu corpinho com detalhes sensoriais surpreendentes! Os animais de estimação muitas vezes assumem o lugar de porto seguro: um refúgio incondicionalmente acolhedor para onde corremos quando nos sentimos vulneráveis, cansados ou com medo. Mas podem representar base segura também, como quando, por exemplo, um tutor declara confiante: “Com ele ao meu lado, não tenho medo de nada”!


Seu pet é sua base segura ou porto seguro? Já pensou nisso?


A ciência segue descobrindo sobre o impacto dos laços com os nossos pets. Intuitivamente, já sabemos o quanto eles nos ajudam a manter a sanidade!

Patrícia Vidal

Psicóloga especializada em vínculos e luto por perda de animais domésticos.