OUTUBRO É MÊS DA TONINHA, GOLFINHO QUE PODE SER PRÓXIMO “DINOSSAURO”

Espécie que vive no litoral do Brasil pode ser extinta em duas décadas

10/10/21

Por: Marina Leite

Toninhas são vítimas de captura acidental e morrem enroscadas em redes de pesca. Imagem: NEMA

Não conheço ninguém que não tenha simpatia por golfinhos. Eles são uma família animada do mar. Pulam, acompanham barcos… quem tem a oportunidade de ver, ama! Mas como em toda família, tem sempre alguém mais tímido. No caso dos golfinhos, é a Toninha também chamada de Franciscana.


Imagine aí: ela é pequena, discreta e pode passar despercebida. Mas ela está lá. Pelo menos, por enquanto.


Toninha é a espécie de golfinho mais ameaçada do Brasil. Especialistas acreditam que se nada for feito ela será extinta. Ou seja, vai sumir da face da Terra. Tipo dinossauro!


As expectativas não são nada boas. Estima-se que em 23 anos elas possam desaparecer de vez do planeta, bem diante dos nossos olhos. Isso porque elas estão bem perto da gente, aproximadamente a 30 metros da costa do nosso litoral.

Toninhas são encontradas do Espírito Santo, no Brasil, passando pelo Uruguai até a península de Chubut, na Argentina. Os três países buscam formas de evitar o desaparecimento da espécie.


Agora, por que as toninhas estão tão ameaçadas? Infelizmente essa espécie morre aos montes presa de forma acidental, em redes ou petrechos de pesca. Sim, elas acabam sendo “pescadas” sem que ninguém tivesse a intenção de captura-las.


Nós pesquisadores, ao lado de pescadores, órgãos públicos e institutos buscamos soluções para desarmar o que parece uma bomba-relógio para as toninhas. Queremos evitar essa grande ameaça à vida marinha e, claro, às questões sociais e econômicas envolvidas.


Todo dia 01 de outubro é celebrado o Dia Nacional da Toninha. Precisamos encontrar saídas para ter o que comemorar nesse dia.

Marina Leite

Bióloga do VIVA Instituto Verde Azul e apaixonada pelo mar. Escreve mensalmente no "E aí, bicho?" sobre os encontros com baleias, golfinhos e cia.