SAUDADE PET A LA MEXICANA: O QUE FICA EM NÓS É COLORIDO!

A elaboração do luto pelos mexicanos inspira outras culturas na relação com os animais que se foram.

14/11/21

Por: Patrícia Vidal

Homenagem pet no dia de los muertos / Imagem: Patrícia Vidal

Montar o altar do dia dos mortos em solo mexicano foi uma experiência que expandiu o modo de me relacionar com os meus mortos. A saudade deu trégua e, por um momento, voltei-me para a lúdica aventura de encontrar itens que agradassem os homenageados. 


Perdida no mercado central de um pueblito, onde encontrar o perfume favorito de minha avó? Os pêssegos, que meu pai adorava? Por fim, a oferenda possível foi garimpada: maço de cigarros (fósforos incluídos para o caso do espírito precisar), sabonete de lavanda, café, tequila e creme para as mãos - tudo escolhido a dedo.


Encontrei um canto em meio aos elementos mandatórios do altar – flores, comidas, incenso, velas, e dispus as prendas para meus antepassados. Senti emoção, mas sobretudo alegria, e uma indescritível sensação de comunhão com eles. Algumas pessoas colocaram fotos de seus pets falecidos no altar.


O dia de finados passou, mas trago este relato para lembrar que é possível manter vivo o vínculo com o animal de estimação que partiu todos os dias. Seja refletindo sobre a relação – o que aprendi, o que quero guardar? -, escrevendo as memórias para visitá-las sempre que a nostalgia bater ou ressignificando algo da história de vocês. É possível acrescentar mais cores ao processo de luto!


Uma tutora que perdeu seu amado bulldog inglês passou mais de dois anos evitando maçãs porque traziam a dolorosa lembrança de preparar a fruta para o cão todas as manhãs. Certo dia, ela contou que começou a comer maçãs! Que significado passaram a ter? Comunhão, talvez? Freud poderia dizer que às vezes maçãs e pêssegos são apenas frutas. Neste caso, não!


A propósito, tive vontade de fazer o registro de memórias enquanto meus gatos estiverem vivos. Eles cresceram e há tantas coisas que deixaram de fazer que eu gostaria de lembrar!

Patrícia Vidal

Psicóloga especializada em vínculos e luto por perdas animais.